Não se pode banhar-se num rio duas vezes. “O ser do rio é o seu permanente deixar de ser” afirmava o filósofo Heráclito. Pois, o tempo está em movimento, consequentemente estamos em movimento, nos transformamos a cada segundo. Nunca somos, sempre estamos. Sempre nos constituindo com novas ressignificações. Tudo flui e nada permanece. Com essas palavras, a artista visual Keyla Sobral nos convida para ver sua nova pesquisa “Outra Margem Outro Um”, onde a mesma instalou letreiros luminosos de Led em barcos de ilhas próximas à cidade de Belém. A pesquisa durou cerca de quatro meses entre idas e vindas das ilhas e o cuidado com a instalação dos luminosos nos barcos, além do cuidado para não alterar sem propósito àquela paisagem.
E é num banhar do rio de maneira eletrônica, que Keyla Sobral apresenta sua nova exposição. “Nessa atmosfera úmida e encharcada, que é o lugar onde habito, essa Belém caótica, urbana, porém cercada de água, desse rio-castanho, cercada por diversas ilhas, que fazem parte da nossa geografia amazônica, geografia de oposições (o urbano e o natural), e muitas vezes esse lado insular, fica distante e invisível”, diz a artista.
A exposição é resultado do Prêmio Seiva 2018. A curadoria é de Marisa Mokarzel.  Keyla tem participado de exposições e projetos no Brasil e no exterior, como: Salão Arte Pará – 2017; O Designo e a Matéria (Palmas, Ceará e São Paulo) – 2017; No Limite/ Am Limit, Museu da UFPA – 2017; Extremos, Galeria Guaçuí, Juiz de Fora – 2017; Amazonian Video Art, The Centre for Contemporary Arts – Glasgow, Escócia – 2016; Para ver se o tempo volta, Galeria Fauna, São Paulo, 2015 entre outros.
Serviço 
Exposição “OUTRA MARGEM OUTRO UM” 
Período de Visitação: Até 28 de Setembro
Das 8h às 18h
Local: Casa das Artes 
Belém – Pará 
Bárbara Palha & Danielle Fonseca