FAUNA GALERIA INAUGURA COLETIVA SOBRE O TEMPO

capa

Em Para Ver Se o Tempo Volta, Alberto Bitar, Ionaldo Rodrigos, Keyla Sobral e Octavio Cardoso apresentam suas poéticas em torno do tempo, estabelecendo diálogos entre a fotografia e outros suportes.

Em parceria inédita, a Kamara Kó Galeria e a Fauna Galeria exibem Para Ver Se o Tempo Volta, dos artistas Alberto Bitar, Ionaldo Rodrigues, Keyla Sobral e Octavio Cardoso, com curadoria de Mariano Klautau Filho. Não obstante a conterraneidade dos artistas paraenses, o elemento que reúne os 20 trabalhos desta coletiva é a convergência de suas poéticas em torno do tempo, não no sentido de cultivar nostalgias, mas de exercer certo domínio sobre ele.

Ao misturar suportes, estabelecendo diálogos entre a fotografia com outros materiais, a proposta de Mariano Klautau Filho é exaltar a experiência com o tempo na construção da imagem fotográfica como exercício de ficção. Em todos os trabalhos expostos, pode ser observado o domínio sobre o tempo e suas “velocidades”, sendo este o fio condutor para abordar a temática e outras questões levantadas em Para Ver Se o Tempo Passa. Mariano Klautau Filho, curador, ainda destaca a constatação da irreversibilidade do tempo e seu efeito devastador em experiências pessoais, “Algo com o qual não se pode combater, mas se pode jogar, iludir, negacear”, comenta.

Neste sentido, Octavio Cardoso apresenta 3 imagens de sua produção mais recente, nas quais desfia a trama entre tempo e espaço, dissimulando a quietude de uma natureza obscura. O tempo parece imobilizado, seja no conforto uterino de uma cama ou no rigor frontal da árvore à contraluz. Ionaldo Rodrigues, por sua vez, trabalha com diversas câmeras de pequeno formato, celulares e imagens precárias. Nas 3 fotografias que exibe, perfaz um recorte sofisticado de sua produção em cor, somado ao conjunto de imagens realizadas em Cianótipo e Papel Salgado.

Alberto Bitar cria uma velocidade do tempo alterada, num misto de aceleração e recuo construídos a partir da experiência espaço-tempo. Em 5 fotografias e 1 vídeo, o artista desvenda sua obra essencialmente urbana, se valendo de recortes da memória pessoal, de casas onde habitou e de resquícios de experiência familiar. Funcionando como uma espécie de arremate da exposição, Keyla Sobral apresenta seus desenhos, palavras, objetos e imagens escondidas, em um universo bastante pessoal, sutil e aparentemente frágil. Tal delicadeza, entretanto, oculta um leve amargor em alguns momentos, e em outros uma ironia pontual diante das perdas.

Extraído de um neon de Keyla Sobral – “Ando de costas para ver se o tempo volta” -, o título da mostra reitera um pouco da dimensão e da intenção desta pequena reunião de trabalhos, como define Mariano Klautau Filho: “superar o imponderável; recuar, se for necessário, e saber matar o tempo”.

Mariano Klautau Filho

Atua como artista e pesquisador. Doutorando em Artes Visuais na ECA/USP e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Professor da Universidade da Amazônia e coordenador e curador independente em projetos como “Fotografia Contemporânea Paraense – Panorama 80/90”, “Colóquio Fotografia e Imagem” da Fotoativa e “Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia”. Participação na IX Bienal de Arte de Havana e na I Bienal do Fim do Mundo, em Ushuaia na Argentina. Possui obras nos seguintes acervos: Museus de Arte Moderna de São Paulo/MAM-SP, Museu de Fotografia da Cidade de Curitiba-PR, Museu do Estado do Pará – Belém-PA, Coleção Joaquim Paiva – Rio de Janeiro-RJ e Coleção Pirelli/MASP – Museu de Arte de São Paulo-SP. Ganhou o Grande Prêmio (Fotografia) no Salão Arte Pará em Belém, nos anos de 2001 (fotografia) e 2007 (videoinstalação). É representado pela Fauna Galeria em São Paulo e Kamara Kó Galeria em Belém.

Alberto Bitar

Vive e trabalha em Belém, PA. Formado em Administração de empresas pela Universidade da Amazônia – Unama (Belém PA). Atualmente ocupa as funções de editor de fotografia do Jornal Diário do Pará e colaborador da Agência Kamara-Kó fotografias. Entre 1994 e 2011, promoveu 10 exposições individuais, dentre elas “Sobre o Vazio”, na Associação Fotoativa (2011, Belém, PA), “Efêmera Paisagem”, no Espaço Cultural do Banco da Amazônia (2009, Belém, PA) e “Passageiro”, em Galerias de fotografia da FNAC de diversos estados brasileiros. Possui em seu currículo diversas exposições coletivas, premiações, e suas obras encontram-se em importantes instituições nacionais.

Ionaldo Rodrigues

Vive e trabalha em Belém (PA). Graduado em Ciências Sociais pela UFPA (2008). Atua em projetos de pesquisa e ensino em fotografia na Associação Fotoativa e na Fundação Curro Velho. Em 2007 recebeu a Bolsa de Pesquisa em Arte do Instituto de Artes do Pará, quando desenvolveu o ensaio Botânico do Asfalto a partir de processos fotográficos históricos. Em 2009 recebeu prêmio no II Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea e, em 2010, no 3º Salão da Vida. Participou de projetos e de diversas exposições coletivas, entre elas Lightness (2010) organizada pela Universidade de Newport; e Crônicas urbanas (2011), entre outras.

Keyla Sobral

Artista Visual, comunicóloga, produtora cultural, mestranda no Programa de Pós-graduação em Artes pela UFPA, editora e fundadora da revista eletrônica Não-Lugar, colaboradora do Blog Novas Medias. Participou de inúmeras exposições coletivas, como “Outra Natureza” – Banco da Amazônia – PA (2013), “Economia da Montagem” – Museu de Arte do Rio Grande do Sul (2012), “Conversas e Contrapontos” – Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas – PA (2011). Recebeu algumas premiações e bolsas de pesquisa, e realizou diversas individuais, como “Mínimo. Múltiplo. Incomum.”, no Museu da Universidade Federal do Pará (2010) e “Meu Álbum de Retratos”, na galeria do Ateliê da Imagem, Rio de Janeiro (2012), entre outras.

Octavio Cardoso

Vive e trabalha em Belém (PA). Começou a fotografar em 1984 na Fotoativa, tendo sido seu presidente de 2000 a 2007. Exposições individuais: Eu vejo, tu sonhas, Galeria Fidanza, 1987; Lugares imaginários, Fotoativa, 2009; e Silêncio…, Kamara-Kó Galeria, 2013. Grande Prêmio do Salão Arte Pará 87 e Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, 2010. Exposições coletivas: Revelação – Dez jovens da fotografia brasileira, Funarte, Rio; Panorama da Fotografia Contemporânea Brasileira, SESC São Paulo, I Nafoto;, entre outras. Tem obras nos acervos do MAM – Rio, MHEP (PA), CCBEU (PA) e MASP – Pirelli.

Fauna Galeria

Fundada em 2010, tornou-se referência em arte contemporânea na cidade de São Paulo, como uma galeria especializada em fotografia como suporte, linguagem e expressão de artistas contemporâneos. Desde a sua fundação, o local já recebeu mais de 20 exposições, sempre sucessos de público e de crítica. O time representado pela Fauna é formado por renomados artistas brasileiros e estrangeiros residentes no brasil, dentre eles Alice Quaresma, Alexandre Sequeira, Jair Lanes, Leka Mendes, Roberto Vietri, Sheila Oliveira, Tatewaki Nio entre outros. Além disso, a galeria conta com uma livraria especializada, com títulos nacionais, importados, edições de luxo limitadas e livros de artista.

Exposição Para Ver Se o Tempo Volta

Curadoria Mariano Klautau Filho

Artistas Alberto Bitar, Ionaldo Rodrigues, Keyla Sobral e Octavio Cardoso

Abertura 4 de Novembro – quarta-feira – às 19h

Período expositivo de 4 de Novembro a 19 de Dezembro de 2015

Local Fauna Galeria – www.faunagaleria.com.br

Endereço R. Tangará, 132 – Vila Mariana, São Paulo – SP

Telefones (11) 3668-6572

Horários Segunda a sexta-feira, das 10 às 19h; Sábados, das 10 às 14h

Categorias: Exposições

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *