Depois de uma primeira experiência, a Kamara Kó Galeria volta este ano ao SP-Arte/Foto – Feira de Fotografia de São Paulo, onde vai apresentar obras de nomes representativos da produção fotográfica em Belém, como Miguel Chikaoka, Alberto  Bitar, Alexandre Siqueira, Guy Veloso, Octávio Cardoso, Anita Lima , Pedro Cunha e Armando Queiroz. A ideia é, além da exposição, pesquisar cenários de comercialização de arte para entender o funcionamento desse específico mercado.

A feira tem entrada gratuita e acontece no terceiro piso do shopping JK Iguatemi, na Vila Olímpia. Esta será a oitava versão do encontro, um braço da SP-Arte, voltado exclusivamente à fotografia. Para a Kamara Kó é um grande investimento e um novo passo rumo à consolidação de parcerias nacionais e até mesmo internacionais. Para a galerista Makiko Akao, é uma forma de comparar realidades, já que em SP e no RJ já há uma rede de clientes e colecionadores formada, de muitas gerações.

“Acredito que isso pode ser formado aqui, não nos mesmos moldes, mas estamos tentando. Devemos estar antenados com as mudanças do próprio perfil das galerias, então, é uma oportunidade de nos profissionalizarmos para atender parâmetros do mercado de arte, de como se relacionar com o público e entender o que a imagem requer para ter o status de obra. Além disso, é mais uma oportunidade de outros públicos conhecerem as obras dos artistas paraenses, já que também é um espaço expositivo”, explica Makiko.

Ela enfatiza ainda que a Kamara Kó é novamente a única galeria das regiões norte e nordeste a estar presente na feira, o que representa uma oportunidade para colecionadores nacionais e internacionais de apreciarem a produção paraense de fotografia. Além de imagens, uma câmera obscura feita de cuia por Miguel Chikaoka, que integra o Clube de Colecionadores do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), também estará exposta.

Obras

Do encontro com o outro, Alexandre Sequeira pensa sua poética. Na série “Meu mundo teu”, que será apresentada na SP-Arte/Foto, o artista foi em busca da relação entre dois ribeirinhos moradores de ilhas que ficam no entorno de Belém. Após ensiná-los conceitos básicos de fotografia, o fotógrafo os incumbiu de produzirem imagens. Desse encontro surgiu a série, de duplas exposições, com imensa carga de poesia.

Armando Queiroz, que este ano estará na Bienal de São Paulo, mostra imagens que fazem parte de um momento de escrita de um texto longo que o artista vem escrevendo, desde 2010, chamado “Rebotalho”. São imagens de sexo e nas palavras do autor, “quentura de corpo ao passar das mãos e dos olhos”, revela. O percurso do olhar segue as coxas as blusas os seios os pingos de suor nas costas nuas.

Octávio Cardoso foi também em busca de formas diferentes de criar imagens da série “Silêncio…”, mas subvertendo o uso formal de câmeras fotográficas. A partir de viagens pelo interior do Pará, as imagens mostram cenários distintos dos fotografados, por conta da tonalidade: azul e vermelho. Para compô-las da maneira que imaginou, as imagens foram feitas com utilização invertida do filtro da câmera digital.

Com uma câmera objeto, Miguel Chikaoka explica que “Loading…” é um objeto-dispositivo que pensa o lugar da formação da imagem a partir do fluxo da luz. O formato do objeto, lembrando o globo ocular não é casual, bem como o empréstimo do termo “Loading…”, remetendo ao que não está constituído, ao que está em formação. O objeto tem de formato redondo ou oval, com diâmetro médio de 10 a 30 cm, conforme a matéria prima original: a cuia.

Alberto Bitar apresenta série iniciada em Lima, capital do Peru, no primeiro semestre de 2014. Intitulada “Súbita Vertigem” traz detalhes de parte do relevo que contorna o litoral da capital peruana. A série segue a mesma busca de outros trabalhos anteriores: talvez de forma mais subjetiva, abordar assunto existencial.

Anita Lima mostra a delicadeza de plantas e o contraste com a aspereza do concreto na série “Ainda Queria Falar de Flores”, iniciada em 2009. Para compor as imagens, a artista retratou a paisagem da própria casa, a natureza em seu universo íntimo. Outro contraste na série é a cor: o verde esplêndido e o cinza; o vermelho vivo e mais o colorido das paredes.

Com sua busca do sagrado, Guy Veloso terá expostas fotografias do projeto “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo”, já apresentada na Bienal de São Paulo em 2010. Para compô-la, o fotógrafo passou quase uma década à procura de grupos religiosos para registrar os mistérios da fé e as possibilidades estéticas da devoção.

Pedro Cunha mostra imagens da série “NoFundo”, iniciada em função da maratona 1616 do Sesc Boulevard, em que fotógrafos foram incumbidos de retratar a capital paraense. Os temas para fotografar foram sorteados e o artista se deparou com a mensagem: No Fundo.  Assim surgiram imagens de chuva e da cidade, seus prédios, árvores, antenas… no fundo da imagem.

 

Visite

Kamara Kó Galeria

Travessa Frutuoso Guimarães, 611 – Campina – CEP 66017-170 – Belém/PA

E-mail:  kamarakogaleria@gmail.com

Telefones: (91) 3261-4809 / (91) 3261-4240 / (91) 8117-9730 / (91) 8190-7084

www.kamarakogaleria.com.br

Dominik Giusti

Assessoria de imprensa

Kamara Kó Galeria

(91) 8107-8710

dominikgiusti@gmail.com

Categorias: Exposições

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *