Publicado em: 17/01/2020

 

 

Finalidades:

 

  1. introduzir conhecimentos sobre a técnica e a história da fotografia através da abordagem do que constitui a gênese do processo fotográfico;
  2. Estimular o exercício do pensamento critico-criativo sobre a essência do que permeia o fazer fotográfico.

 

Resumo do programa

 

Corpo e memória: do sensorial ao sensível

A luz: características, propriedades e significados.

Fluxos luminosos : espaço e tempo da luz e com a luz.

Fotossensibilidade: experimentos com fotogramas

Luz, percepção e imagem: construção e experimentos com uma câmera obscura pinhole

Fotografia pinhole: construção e experimentos com uma câmera fotográfica pinhole

Guia de exposição e fotometria: ler e interpretar o que luz desenha

A câmera fotográfica: leitura e interpretação dos modos básicos de operação.

Fotografia digital: unidade de informação, memória e tipo de arquivos raw, jpeg, tif, png

Fluxo de trabalho: organização e catalogação de arquivos e tratamento de imagens.

Teoria da Imagem e sintaxe: constituição e leitura

Rodas de conversa.

Metodologia:

O desenvolvimento do programa se produz através de vivências pautadas em práticas de construção e uso de dispositivos de visualização, captura e análise de imagens, jogos e exercícios sensoriais,  saídas a campo e rodas de conversa.

 

Carga horária

48 horas (12 encontros, 3 saídas a combinar, práticas de laboratório e campo, consultas e orientações presenciais ou online.)

 

Publico alvo: Interessados a partir de 16 anos.

 

Numero de vagas: 12

 

Pré requisito:

Interesse, disponibilidade, câmera fotográfica e computador para prática do fluxo de trabalho (organização e tratamento de imagens digitais)

Local: Kamara Ko Galeria, Travessa Frutuoso Guimarães, 611 (entre General Gurjão e Riachuelo). Bairro Campina. Belém – PA

 

Investimento: R$ 750,00 (incluso: materiais de consumo, laboratório e scanner).

Orientador: Miguel Chikaoka

 

Resumo e cronograma

 

Divulgação a partir de: 17 de janeiro 2020

Pré inscrições (para entrevista): até 25 de fevereiro 2020.

Formulário de inscrição: https://forms.gle/4AeApQ1jMAAdXcA89

Período de entrevistas: 25 de fevereiro a 03 de março 2020. (agendamento no próprio formulário de inscrição)

Convocatória (aprovadxs): até 03 de março 2020

Prazo para confirmar participação: até 06 de março 2020

Inicio das atividades: dia 09 de março

Período da oficina: 09 de março a 13 de maio de 2020. (encontros regulares às terças e quintas, de 19 as 21h30 + práticas de laboratório saídas,  viagens, consultas e orientações presenciais ou on line

Local: Kamara Ko Galeria (Travessa Frutuoso Guimarães, 611, bairro Campina)

Carga horária total: 48 horas

Numero de participantes: 12

Investimento: R$  750,00 (parcelado em até 3 vezes no Cartão Crédito). R$ 700,00 para pagamento a vista.

 

 

Sobre Miguel Chikaoka

é natural de Registro-SP, reside em Belém, onde idealizou os projetos de criação da Associação Fotoativa e  da Agência Kamara Kó Fotografias.

Seu trabalho dedicado ao estudo e práticas educativas

é pautado em abordagens que buscam expandir os sentidos do olhar para além da fotografia.

Como autor, experimenta processos que transitam entre imagens, objetos, instalações e performances.

Como ministrante de cursos, workshops e palestras soma uma extensa lista

 

Em 2009, convidado pelo Centro de Fotografia de Montevideo – CdF,  ministrou a Oficina de Fotografia Pinhole “Pin Lux” no âmbito do Fotograma 09 – Encontro Internacional de Fotografia.

Como artista, dedica-se à criação de obras que transitam entre imagens, instalações e objetos que tratam de questões filosóficas e politicas que norteiam seu engajamento no campo da educação e, ao longo de mais de 3 décadas, além de uma dezena de individuais, soma participações significativas em exposições no Brasil e no exterior.

Em 2012, recebeu o Prêmio Brasil de Fotografia e a Comenda da Ordem do Mérito Cultural – MinC por sua contribuição à cultura brasileira.

Em 2014, convidado pelo CdF para desenvolver um projeto no âmbito da Jornada: 10, sobre Fotografia e Educação, desenvolve o projeto “Aguas Enlazadas”, uma produção coletiva articulada com agentes multiplicadores no Brasil e no Uruguai, que resulta numa instalação no espaço Bazar na pré ocupação da nova sede do CdF. Em 2015 foi agraciado com o Prêmio Marcantonio Vilaça/Minc/Funarte.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *